Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

“Se o destapar faz uma mulher sentir-se nua, não devíamos mostrar a nudez de ninguém”

Depoimento sobre a decisão do Tribunal Europeu de Justiça feito por Nurjaha Mohamed Tarmahomed, uma empresária muçulmana de Lisboa que já foi dona de um ginásio e de uma clínica de beleza e agora preside a uma associação sem fins lucrativos, a Noor'Fátima

Depoimento recolhido por Hugo Franco

A empresária muçulmana Nurjaha Mohamed Tarmahomed, à direita na foto, com uma voluntária da associação a que preside

A empresária muçulmana Nurjaha Mohamed Tarmahomed, à direita na foto, com uma voluntária da associação a que preside

d.r.

Eu não uso véu no dia a dia, mas respeito quem usa. Não concordo nada com a decisão do Tribunal Europeu de Justiça, que considera “legal” que as empresas proíbam os seus empregados de usarem símbolos religiosos, políticos ou filosóficos visíveis. Se o tribunal está a proibir o véu islâmico, porque não impede o uso de decotes ou minissaias? É mais bonito tapar ou mostrar?

Acho que estamos a entrar numa conjuntura de grande xenofobia.

Lembro que vivemos num país católico, em que a Nossa Senhora de Fátima tem um véu. Desde quando cobrir é feio?

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • A possibilidade conferida às empresas, pelo Tribunal de Justiça Europeu, de proibirem o véu islâmico é uma medida que só contribui para a radicalização de uma comunidade que, por mais que se diga que não, já é olhada de lado um pouco por todo o lado. Le Pen ou Wilders não teriam desejado outra coisa. Porque a medida mete no mesmo saco o que é diferente. Diz que o véu islâmico é um símbolo religioso e por isso, para ser politicamente correto e igualitário, o Tribunal permite a proibição de todos os símbolos religiosos