Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Novas buscas ao GES complicam acusação a Sócrates dentro do prazo

nuno botelho

Equipa do procurador Rosário Teixeira fez esta terça-feira à tarde aquelas que deverão ser as últimas buscas do caso em que o ex-primeiro-ministro José Sócrates está indiciado de corrupção. E Armando Vara ainda não foi notificado para ser ouvido, a três dias de terminar o prazo fixado pela procuradora-geral da República para a investigação do Ministério Público estar concluída

Até agora o gabinete da Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal, ainda não informou os jornalistas se é intenção do Ministério Público adiar, ainda que por apenas alguns dias, o prazo que tinha dado à equipa de procuradores liderada por Jorge Rosário Teixeira para concluir a investigação criminal em que o ex-primeiro-ministro José Sócrates está indiciado por corrupção, branqueamento de capitais e fraude fiscal qualificada.

Para já, oficialmente, esse prazo ainda continua a ser a próxima sexta-feira, 17 de março, mas a acumulação de diligências esta semana, incluindo uma ronda final por alguns dos arguidos, reforça a convicção, para algumas fontes que têm acompanhado o processo, de que na prática vai ser muito difícil cumprir aquela data.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • É igual investigar um qualquer cidadão anónimo ou alguém com poder?

    A justiça é igual para todos. Isto não devia ser uma pergunta. Mas é. E é igual investigar um qualquer cidadão anónimo ou alguém com poder? Como é que se investiga alguém com acesso aos meios de comunicação social e aos melhores advogados? Teófilo Santiago, o investigador da PJ que dirigiu grandes casos como o Aveiro Conection ou o processo Face Oculta (que levantou suspeitas contra Sócrates de atentado ao Estado de Direito nunca investigadas), conta como é investigar o poder. O Expresso convidou figuras do meio judicial para desfazer algumas dúvidas ao longo dos próximos dias. Começamos segunda-feira com Maria José Morgado, prosseguimos com Teófilo Santiago

  • É mesmo verdade que em Portugal se prende para investigar?

    O caso Sócrates, como outros que já agitaram a Justiça portuguesa antes da detenção do ex-primeiro-ministro, tem a virtude de pôr os portugueses a discutir as decisões dos tribunais, investigações, lentidão processual e se é mesmo verdade que há uma Justiça para ricos e outras para pobres. O Expresso convidou quatro figuras do meio judicial para desfazer algumas dúvidas ao longo dos próximos dias. A procuradora distrital de Lisboa, Maria José Morgado, responde à primeira questão: em Portugal prende-se para investigar?