Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

François Fillon acusado, direita à beira da implosão

reuters

Mais um caso na mais estranha campanha eleitoral de sempre da V República francesa. A acusação oficial, esta terça-feira, de desvio de fundos públicos e de apropriação indevida de bens sociais contra o candidato da direita, François Fillon, é um acontecimento sem precedentes em França

Os juízes que acusaram François Fillon destacam indícios “graves e concordantes” de que o candidato do partido “Os Republicanos” (LR) pagou à mulher e a dois dos seus filhos salários como assistentes parlamentares sem que ele tenha demonstrado durante a curta investigação, de algumas semanas, a realidade dos empregos. No total, estes três membros da sua família terão recebido um milhão de euros.

François Fillon já tinha respondido antecipadamente à acusação da Procuradoria francesa. Declarou-se, há alguns dias, vítima de um “assassinato político” e acrescentou, com uma certa arrogância, que seriam os eleitores – e não os juízes - que o iriam julgar nas eleições presidenciais de 23 de abril e 7 de maio (primeira e segunda voltas). Nesta terça-feira, a direita que o apoia alinhava pelo mesmo diapasão, realçando que o antigo primeiro-ministro é alvo de uma cabala que, alegadamente, envolveria o poder socialista, a Justiça e os jornais. “Não me renderei, não retirarei a minha candidatura”, disse François Fillon há alguns dias num grande comício em Paris.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • François Fillon já foi formalmente acusado

    O candidato de centro-direita às presidenciais francesas é alvo de diversas acusações, entre as quais a de uso indevido de fundos públicos, num caso que envolve a suposta criação de empregos fictícios para a sua mulher e para dois dos seus filhos

  • A direita (e a esquerda) mais estúpida do mundo

    Quatro meses depois do seu largo triunfo nas primárias e de ser o favorito para as presidenciais, o candidato François Fillon bate-se agora, em terceiro lugar nas intenções de voto, para evitar a decomposição da direita. Um histórico socialista disse um dia que a França tinha “a direita mais estúpida do mundo”. Mas o vitupério também se pode aplicar, agora, à esquerda