Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Bonito. Não exagerado. Surpreendente

getty

Este é o texto que lhe vai explicar como a luz acabou com a noite mas a canção permaneceu. É razão suficiente para ler

São oito minutos e cinquenta e dois segundos de novidade encaixadas numa única canção: a estrutura é complexa e há tanto para ouvir, perceber e admirar em “Third of May/Ōdaigahara”. Este é tema que marca o regresso dos Fleet Foxes, depois de um hiato de seis anos que pareceu o fim da banda, e que eleva as expectativas para o disco que a banda lançará em junho. Eles fizeram isto bem.

Ainda há pouco tempo tudo parecia apontar para um cenário de separação definitivo. Em 2011, quando lançaram “Helplessness Blues”, disco nomeado para os Grammy e que chegou ao quarto lugar da lista de álbuns da Billboard nesse ano, os Fleet Foxes eram uma banda jovem com apenas dois discos que já recolhia muitos elogios, numa aparente fase de sucesso promissor que culminava com a digressão para promover o disco.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)