Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Junho, o mês mais triste para um professor contratado

reuters

Vivian Kleideri já quase perdeu a conta ao número de escolas por onde passou nos últimos dez anos. “Fazemos as nossas malas e vamos para onde nos mandarem. Em junho regressamos e ficamos à espera de saber para onde vamos a seguir. Isto se formos selecionados, é claro.” A terceira reportagem da enviada do Expresso à Grécia é sobre o Ensino

Cátia Bruno

Cátia Bruno

enviada a Atenas

Jornalista

A professora Vivian Kleideri é formada em Física. Tem 37 anos, dá aulas desde 2007, mas nunca teve um contrato efetivo. Desde 2010, com a chegada da crise, tem assistido a um agravamento da situação para si e para os seus colegas.“Não há qualquer planeamento na educação, o único objetivo é poupar dinheiro”, diz.

Vivian passou os últimos três anos a ser colocada em escolas de várias ilhas gregas, como a de Kalymnos, uma pequena comunidade de 16 mil habitantes, a mais de 400 km de Atenas. Lá, caminhava diariamente mais de 6 km para ir de uma escola do agrupamento para outra: “Não há transportes públicos a toda a hora, como aqui em Atenas… Eu saía de uma aula às 11h da manhã, por exemplo, e só tinha autocarro dali a um bocado, mas a minha outra aula começava entretanto na outra escola. Portanto, tinha de ir a pé.”

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)