Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Trump, um ensaio (de porrada)

reuters

As batalhas do feminismo e a emancipação das mulheres no mercado de trabalho, do casamento e do pensamento afinal não liquidaram “Eu, Donald J. Trump”. No último dos cinco ensaios sobre Donald Trump e a sua presidência que estamos a publicar esta semana, Clara Ferreira Alves partilha o conhecimento sobre o Presidente que “só o género autoriza” e analisa “aquele” olhar de “Eu, Donald J. Trump” para as mulheres

Clara Ferreira Alves

Clara Ferreira Alves

Escritora e Jornalista

Depois dos meus colegas homens terem escrito sobre Trump, cabe-me, enquanto mulher, partilhar o conhecimento que só o género autoriza. Mulher. Algumas mulheres gostam de Trump. Il faut de tout pour faire um monde. Muitas, mesmo muitas mulheres, não gostam de Trump. Ou, como ele diz, “Eu, Donald J. Trump”. Este “Eu, Donald J. Trump” conhecemo-lo cedo. Assim que saímos da infância e entrámos na adolescência foi-nos apresentado.

Talvez tenha sido o pai ou o tio de uma amiga da escola. Quando nos via entrar espalmava a mão na própria perna com vigor e apresentava-se, eu sou o pai, ou o tio, rolando um olho lúbrico. Um olhar de peixe morto numa face escarlate. Não era um olhar paternal. Este tipo de pai é o que se gaba de ter uma filha boa e com um bom rabo. Ou, como disse Eu, Donald J. Trump sobre a filha Ivanka, a piece of ass. Se não fosse minha filha andava com ela…. Eheheh. A mais engraçada das meninas recebia atenção e a pungência de um interesse, então como vão as notas, o que quer ser quando crescer, etc., enquanto o avaliador ignorava as outras. American Beauty.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • O espetáculo Trump segue dentro de momentos

    Ao final de 21 dias, Trump continua a ‘abalar o mundo livre’ (já vamos explicar) e a avançar com controversas promessas de campanha. A ordem que proíbe a entrada de muçulmanos nos Estados Unidos continua suspensa sob a ordem de três juízes federais e contra a vontade do Presidente. O caso deverá seguir para o Supremo. Não é a única guerra que a administração já comprou mas é, para já, a mais bicuda. Os democratas e as grandes empresas já estão a olear as armas e a resistência está a ficar criativa

  • A ditadura do burburinho (ensaio de Daniel Oliveira)

    O confronto não pode ser entre a América “sofisticada” e a América “tacanha”. E não se pode centrar no burburinho que Trump vai criando. Ele alimenta-se do ressentimento dos desprezados e da espuma dos dias. Muitas coisas que chocam em Trump só são relevantes para os que o recusam, que continuam a falar para si mesmos, cavando um pouco mais o fosso que serve o Presidente. É na frustração da América abandonada, que ele prometeu ajudar e que obviamente trairá, que está a resposta a Trump. Daniel Oliveira assina o quarto dos cinco ensaios que estamos a publicar esta semana sobre o Presidente dos Estados Unidos. O último será assinado por Clara Ferreira Alves

  • Trump, Dilma e a desgraça dos impeachments (ensaio de Ricardo Costa)

    O sistema foi capturado por um populista perigoso, mas fê-lo pelo voto popular. Que saia pela mesma porta e pela mesma mão é a única coisa que me parece desejável. Tudo o resto serão processos mais perigosos que o próprio Trump, escreve Ricardo Costa no ensaio sobre o Presidente dos Estados Unidos. No Expresso Diário desta sexta-feira escreve Clara Ferreira Alves

  • Lamento ver gente à direita achar que tudo isto é normal (ensaio de Pedro Mexia)

    Trump é um populista que fala para os descamisados da globalização, mas isso tanto define um Trump como uma Le Pen, que é de direita, um Iglesias, que é de esquerda, ou um Grillo, que não é de esquerda nem de direita. Mas Trump é incomparável, escreve Pedro Mexia no segundo dos cinco ensaios que estamos a publicar esta semana sobre o Presidente dos Estados Unidos. Nos próximos dias escrevem Ricardo Costa, Daniel Oliveira e Clara Ferreira Alves

  • A ignorância eurocêntrica sobre Trump (ensaio de Henrique Raposo)

    Trump não é conservador, republicano ou federalista, é um “confederado” sulista à imagem do fundador do Partido Democrata, escreve Henrique Raposo no primeiro de cinco ensaios sobre o Presidente do EUA que vamos publicar nos próximos dias. Os ensaios seguintes são assinados por Pedro Mexia, Ricardo Costa, Daniel Oliveira e Clara Ferreira Alves