Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Marcelo esteve em todo o lado, mas Costa gerou mais notícias

PARCERIA MEDIÁTICA. Marcelo e Costa foram, de longe, os políticos com maior protagonismo mediático desde as eleições presidenciais de 2016

ANA BAIÃO

Apesar da intensa agenda que teve desde que ganhou as presidenciais, Marcelo gerou menos notícias nos media portugueses do que o primeiro-ministro. Cristas é a líder partidária com menor protagonismo mediático na TV

Os pretextos sucederam-se: discursos, inaugurações, selfies, declarações, audiências, promulgações, visitas, receções, viagens ou comemorações. De onde, naturalmente, saíram notícias. Desde a sua vitória nas eleições presidenciais, em janeiro de 2016, a hiperativa agenda de Marcelo Rebelo de Sousa invadiu o espaço público, com a aparições sucessivas e a um ritmo diário nos media nacionais. “Marcelo disse”, “Marcelo fez”, “Marcelo foi”.

Mas se existe uma perceção geral de ‘furacão Marcelo’ nos meios de comunicação portugueses, a análise ao protagonismo mediático dos agentes políticos portugueses no último ano mostra que houve quem superasse o Presidente.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • Marcelo, um ano a tirar selfies com o Governo

    Chegou e disse, disse e fez. No primeiro ano depois de ser eleito, assinalado esta terça-feira, Marcelo Rebelo de Sousa condicionou pouco mas acondicionou muito a governação. Construiu intencionalmente a sua imensa popularidade para fazer dela a sua rampa de ação e o seu escudo de proteção. Ortega Y Gasset poderia rescrever a sua mais famosa citação: a circunstância é a circunstância e o seu homem. O homem Marcelo, ano 1

  • O ano em que o Sol vai girar em torno da Terra

    Eis o resumo do futuro do mundo: terrorismo, crise dos refugiados, ressurgimento da xenofobia, protecionismo comercial, aparente escalada nuclear e implosão dos sistemas partidários. E algo de bom? Sim, claro. Vamos estar longe de tudo isto. Como sempre estivemos