Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Grécia é contra, mas Yazidis vêm para Portugal: 190 confirmados, 30 com viagem marcada

reuters

O governo grego acusou esta terça-feira o governo português de ser discriminatório com os refugiados que esperam asilo na Grécia, ao dar preferência aos yazidis. Portugal nega seleção e mantém: está disponível para receber 470 no país. Primeiros grupos alargados chegam em breve e irão para Coimbra e Lisboa

Uma semana, talvez duas. É o tempo que separa trinta yazidis de Portugal. O ministro-adjunto Eduardo Cabrita não revela datas concretas mas garante que já estão registados nas próximas viagens de refugiados da Grécia para Portugal. Os laços de família que os unem vão manter-se quando forem acolhidos em Guimarães. Ficam todos na mesma cidade. Até ao final de março chegam mais cem, com integração garantida em Lisboa. No total, entre os refugiados já selecionados para recolocação futura em Portugal “existem mais cerca de 190 yazidis”, revela o ministro, que tutela a sua integração em Portugal. “E não temos qualquer indicação de que tal não vai acontecer”, revela.

Eduardo Cabrita prefere acreditar que há “um razoável equívoco” nas declarações proferidas à Associated Press pelo ministro da Grécia para as Migrações, na passada terça-feira. Ioannis Mouzalas avalia a disponibilidade de Portugal para receber yazidis como discriminatória desta minoria etnico-religiosa , afirmando que “o convite específico para [a ida de] yazidis é inaceitável” e que “nenhum Governo pode discriminar com base na raça”. Com base nisso, diz a notícia, “a Grécia rejeita a proposta” portuguesa.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)