Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

FMI espera até abril para ver se Trump destrói o otimismo

reuters

Quando faltam quatro dias para a tomada de posse do novo Presidente dos EUA, os técnicos do Fundo Monetário Internacional mantêm projeções de subida do crescimento mundial para 2017 e 2018. Mas o que o novo inquilino da Casa Branca vai realmente fazer condiciona todo o exercício, pelo que o FMI regressa em abril com o seu relatório sobre a economia mundial. Então se saberá se revê, para mais ou para menos, as projeções que publicou esta segunda-feira

A economia mundial vai crescer mais este ano e no próximo, depois de um abrandamento ligeiro em 2016. O Fundo Monetário Internacional (FMI) manteve a perspetiva otimista na atualização das suas previsões e projeções macroeconómicas que publicou esta segunda-feira. Não baixou a previsão das taxas de crescimento global que havia divulgado na sua assembleia mundial de outubro passado. Mas também não as reviu para mais.

Todo o exercício está claramente condicionado pela incerteza, que provém de uma fonte claramente identificada. As palavras são claras: “uma dispersão ampla de resultados em torno das projeções, dada a incerteza que envolve a orientação política da Administração dos Estados Unidos que agora entra em funções e das suas ramificações globais.” Por isso, uma apreciação mais específica é adiada pelo FMI para o World Economic Outlook que publicará em abril, já depois de conhecidos os pacotes de medidas económicas e geopolíticas para os primeiros 100 dias da nova Administração.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • Economia mundial vai crescer mais este ano e no próximo depois de um ligeiro abrandamento em 2016, segundo a atualização de projeções macroeconómicas pelo FMI publicada esta segunda-feira. As duas grandes economias desenvolvidas com problemas de crescimento são a Itália e o Japão