Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Maioria dos portugueses concorda com nacionalização do Novo Banco

José Carlos Carvalho

Sondagem: entre a nacionalização e a liquidação do Novo Banco, os portugueses não têm dúvidas e defendem a primeira solução

Cristina Figueiredo

Cristina Figueiredo

Jornalista da secção Política

A maioria dos portugueses é favorável à nacionalização do Novo Banco... se tiver de ser. No estudo de opinião de janeiro da Eurosondagem para o Expresso e a SIC perguntou-se o que deve o Governo fazer caso não surja uma proposta de compra lucrativa para o antigo BES.

A resposta foi inequívoca: 52,5% dos inquiridos entendem que se deve avançar para a nacionalização, contra 28,5% que defendem que, nesse caso, o banco deveria ser liquidado. Que o assunto não é simples demonstra-o o facto de 19% terem dúvidas ou não saberem mesmo qual a resposta a dar.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

ficha técnica

Estudo de opinião efetuado pela Eurosondagem S.A. para o Expresso e SIC, de 5 a 11 de janeiro de 2017. Entrevistas telefónicas, realizadas por entrevistadores selecionados e supervisionados. O universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando lares com telefone da rede fixa. A amostra foi estratificada por região: Norte (20%) — A.M. do Porto (14,7%); Centro (28,7%) — A.M. de Lisboa (26,6%) e Sul (10%), num total de 1010 entrevistas validadas. Foram efetuadas 1221 tentativas de entrevistas e, destas, 211 (17,3%) não aceitaram colaborar neste estudo. A escolha do lar foi aleatória nas listas telefónicas e o entrevistado, em cada agregado familiar, o elemento que fez anos há menos tempo, e desta forma resultou, em termos de sexo: feminino — 52,5%; masculino — 47,5% e no que concerne à faixa etária dos 18 aos 30 anos — 16,7%; dos 31 aos 59 — 51,5%; com 60 anos ou mais — 31,8%. O erro máximo da amostra é de 3,07%, para um grau de probabilidade de 95%. Um exemplar deste estudo de opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.