Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

A era da pós-verdade em todo o seu sombrio esplendor

getty

América em alvoroço com um relatório controverso que provoca Trump e comovida com um discurso intenso proclamado por Obama. O Presidente que sai e o que há de vir são os rostos, as ideias e as manifestações dos contrastes que sacodem o país. É uma confusão: há jornalistas contra jornalistas, americanos contra americanos, Trump contra o mundo

O pilar mais forte da proclamada era da pós-verdade é a força da crença que se impõe ao conhecimento científico, ao racionalismo e aos outros valores que a humanidade colheu no Iluminismo. Donald Trump, o homem que está prestes a tomar posse como 45.º Presidente dos Estados Unidos, ‘acredita’ que as alterações climáticas, por exemplo, são um “embuste” criado pela e/ou para a China roubar postos de trabalho aos norte-americanos.

Não lhe interessa que os factos e a ciência e décadas e décadas de investigação tenham já apurado, sem margem para dúvidas, que somos nós os responsáveis pela subida gradual da temperatura do planeta, encaminhados em passo acelerado para a nossa própria extinção.

Trump ‘acredita’ que as alterações climáticas não são reais e com ele milhões de americanos, incluindo grandes figuras do Partido Republicano. Trump também ‘acredita’ que as vacinas podem trazer mais mal do que bem, quando é um facto científico que esse avanço médico erradicou do planeta doenças fatais que antigamente matavam centenas de milhares de pessoas. Por não ‘acreditar’, decidiu atribuir terça-feira a um anti-vaxxer (como os céticos das vacinas são conhecidos) a tarefa de investigar a segurança desse tipo de medicação preventiva (chama-se Robert F. Kennedy Jr. e é sobrinho de JFK). Horas depois, os media eram inundados por novas e explosivas alegações sobre a relação de Trump com o governo russo, que quase roubaram protagonismo ao homem da noite: Barack Obama.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • Trump para a CNN: “Vocês têm notícias falsas”

    O Presidente eleito recusou responder a uma questão colocada pela estação norte-americana CNN. Acusou o canal de ser “terrível” e ignorou a pergunta. O momento aconteceu na conferência de imprensa convocada pelo Presidente eleito para esta quarta-feira

  • Trump responsabiliza Moscovo no caso de espionagem

    Na primeira conferência de imprensa de Donald Trump em cinco meses, o Presidente eleito dos EUA apontou o dedo à Rússia no caso da espionagem informática e garante que manter uma boa relação com a Rússia será uma vantagem. “Se Obama não gosta da Rússia não acho isso um trunfo, mas uma fraqueza. Se Putin gosta de Trump não acho isso uma desvantagem, mas uma vantagem”

  • Trump, Rússia, chantagem e ‘golden shower': o documento que anda a circular nos corredores de Washington

    Há uma semana, as agências secretas dos EUA apresentaram a Barack Obama e a Donald Trump uma sinopse de um dossiê onde é alegado que Vladimir Putin tem estado a reunir “podres” sobre o Presidente eleito para o chantagear, ao mesmo tempo que se manteve em contacto com a equipa do americano durante a campanha para o ajudar a ganhar as eleições. Os serviços de informação ainda não apuraram a veracidade de algumas das alegações, mas garantem que a fonte é fidedigna

  • Rússia nega ter informações comprometedoras sobre Trump. “É um bluff total”

    Presidente eleito dos EUA ainda não reagiu oficialmente às alegações contidas no dossiê que os seviços de informação lhe apresentaram há uma semana, bem como a Barack Obama, onde é alegado que esteve envolvido em “atos sexuais perversos” –uma das informações que Moscovo estará a usar para o controlar – e que a sua equipa esteve em contacto com intermediários do governo russo ao longo da campanha presidencial