Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

O milionário “oportunista” por trás da Lone Star, o fundo que quer comprar o Novo Banco

JULGAMENTO Em 2011, a Lone Star foi condenada na Coreia do Sul por manipulação bolsista.

CHUNG SUNG-JUN/GETTY IMAGES

John Grayken fundou a Lone Star Funds em 1995 e fez fortuna com os erros dos outros. É descrito como um investidor implacável, que não olha a meios para maximizar os lucros, mesmo que isso signifique mudar de nacionalidade. A sua estratégia: comprar a preço de saldo e vender depressa e bem

Com uma fortuna avaliada em 6 mil milhões de euros, John Grayken, o fundador da Lone Star Funds, a entidade mais bem colocada para comprar o Novo Banco, é a quarta pessoa mais rica da Irlanda. Mas Grayken, que é também o segundo gestor de fundos privados mais rico do mundo, nasceu muito longe de Dublin, em Cohasset, um subúrbio a sul de Boston, nos Estados Unidos.

Em 1999, numa jogada para pagar menos impostos, o milionário renunciou à cidadania americana e abraçou a irlandesa depois de se casar com uma britânica. Por causa disso, apesar de a Lone Star ter sede em Dallas, nos EUA, vive em Londres, porque não pode passar mais de 120 dias em solo americano sem ter de prestar contas ao fisco.

Num perfil publicado em março do ano passado com o título “O Banqueiro Milionário na Sombra”, a prestigiada revista “Forbes” descreveu-o como um “capitalista oportunista” que fez fortuna a partir dos erros dos outros.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)