Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Freitas do Amaral visitou o antigo adversário. “Sabemos que a nossa hora tem de chegar, espero que não seja esta”

QUERIDOS INIMIGOS. Mário Soares derrotou Freitas do Amaral nas eleições presidenciais de 1986, a mais disputada da história da democracia portuguesa

O adversário de ontem esteve no hospital a apoiar o amigo de hoje. Freitas do Amaral, adversário nas presidenciais de 86, visitou Mário Soares e, à saída, visivelmente emocionado, lembrou os tempos antigos e lamentou a atual situação. Mais de 24 horas após o internamento, o ex-presidente continua em estado crítico, com prognóstico reservado e inconsistente. Mas há uma “discreta melhoria”: já responde a estímulos

Marta Gonçalves

Marta Gonçalves

com Lusa

Jornalista

Em tempos lutaram de lados diferentes. Divergiram muitas vezes e protagonizaram um momento impar na história da democracia portuguesa. Já lá vão 30 anos desde que Mário Soares e Diogo Freitas do Amaral disputaram a única segunda volta de umas eleições presidenciais. O confronto foi duro e longo. Fora da política, conseguiram manter a amizade e companheirismo. E esta quarta-feira, o amigo Diogo esteve lá para o amigo Mário.

Internado há mais de um dia, Mário Soares continua na unidade de cuidados intensivos do Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa. Nas últimas horas, pouco mudou: os sinais vitais mantêm-se, o prognóstico é reservado e o seu estado é crítico. Há, no entanto, “uma discreta melhoria” no nível de consciência. O antigo Presidente da República começou a responder a estímulos.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • “Qualquer soprozinho de uma complicação pode ser mais grave”

    Antigo Presidente da República e um dos fundadores da democracia foi internado esta madrugada no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, na sequência de “um quadro de agravamento do seu estado geral”. Eduardo Barroso, sobrinho e médico, diz que o ex-chefe de Estado está inconsciente e que qualquer “soprozinho” pode ser problemático