Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Investigação aeronáutica afirma que companhias poupam no combustível

josé caria

Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves garante que há transportadoras que “forçam as tripulações a operar com o combustível mínimo exigido”. TAP está a ser investigada por “emergência” por ‘fuel’ reduzido reportada durante aproximação a pista espanhola

As regras aeronáuticas ditam que um avião seja abastecido, no mínimo, com combustível suficiente para o avião voar mais 30 minutos além do voo a realizar, e são poucos os operadores que permitem um reforço maior, mesmo quando isso seria prudente.

O alerta de que na Europa, e em Portugal, há quem só ‘voe nos mínimos’ é feito ao Expresso pelo presidente do Gabinete Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves (GPIAA), Álvaro Neves: “Sabe-se que existem operadores que, devido às suas políticas, forçam as tripulações a operar com o combustível mínimo exigido pelas regras aprovadas pela ICAO e pela EASA” — as entidades que coordenam o sector a nível internacional e europeu, respetivamente.

O fenómeno não é ampla e oficialmente conhecido porque depende da comunicação dos próprios pilotos, que somente é obrigatória quando os mínimos legais são desrespeitados. O responsável pela investigação aeronáutica nacional explica que, “no entanto, esses reportes não foram feitos, pois caso exista a possibilidade de a aeronave aterrar abaixo do mínimo exigível de combustível nos depósitos ter-se-á de abrir uma investigação”, com consequências. Assim sendo, “as tripulações só declaram emergência por mínimos de combustível se o comandante avaliar que não dá mesmo para arriscar”.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)