Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

O Freddie vive

FERNANDO CONCEIÇÃO. Chamam-lhe “o Freddie português” e aquele casaco amarelo é valioso e invejado - ao ponto de ter medo de lavá-lo (mas não de levá-lo). Nas idas a Londres e a Montreux, veste-se a rigor com a indumentária com que Freddie subiu ao palco no mítico concerto em Wembley, em 1986. E em casa tem um precioso museu privado dedicado aos Queen

ANA BAIÃO

Fernando Conceição é um fã abnegado de Freddie Mercury, daqueles que gastam os CD de tanto os ouvir. Coleciona tudo o que tenha que ver com o artista e viaja pelo mundo no encalce dos seus sítios emblemáticos. Quando um grave problema de saúde debilitou Fernando Conceição, a quem chamam “o Freddie português”, foi alvo de uma homenagem da melhor banda de tributo aos Queen. Na semana do 25º aniversário da morte de Freddie Mercury, que se assinala esta quinta-feira, abriu ao Expresso a porta de casa e do seu raro museu privado para desvendar encontros e episódios singulares

Margarida Mota

Jornalista

Freddie Mercury, o carismático vocalista dos Queen, morreu faz esta quinta-feira 25 anos. Mas a lenda continua viva graças a fãs como Fernando Conceição. “Era um génio, a compor, a cantar e em palco. Para nós, os fãs, ele não morreu, apenas deixou de escrever. Ouvimos as músicas dos Beatles ou do Elvis com nostalgia, mas não as do Freddie. Parece que ele está ali, a cantá-las.”

Fernando, de 52 anos, recebe o Expresso no seu apartamento em Queluz vestido com uma t-shirt preta que tem estampada uma frase emblemática do seu ídolo: “Não serei uma estrela do rock, serei uma lenda”, uma espécie de declaração prévia a uma conversa onde o fã se dispõe a partilhar como nasceu a admiração pelo artista e como, 25 anos após o seu desaparecimento, Freddie continua a ser importante para tanta gente. “Tinha uns 15 anos quando ouvi os Queen pela primeira vez. Gostava muito de música, mas não os conhecia. Um dia, o meu irmão mais velho trouxe um single do ‘Crazy little thing called love’ e pôs a tocar. Eu não queria dar parte fraca — coisa de irmãos — e não dei muito valor. Mas a música nunca mais me saiu da cabeça. Fui comprar o mesmo single para mim. Ainda o tenho.”

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)