Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Se há heróis, são eles

PESCA DO BACALHAU Pepe Brix, vencedor do Prémio Gazeta 2015 na categoria de fotografia, passou três meses e meio no mar até à Terra Nova. Tirou 5000 fotografias, esta é uma delas

foto pepe brix

Convidaram-no um dia a entrar num bacalhoeiro português. Aceitou. Demorou três meses até regressar - pelo meio, aprendeu que o mar faz-nos mais pacientes e tolerantes. E desenvolveu a estima pelos pescadores, essa gente nobre que nos traz o peixe que amamos. E porque esta segunda-feira o planeta assinalou o dia mundial da pesca, pedimos a Pepe Brix, que ganhou o Prémio Gazeta 2015 de Fotografia com a história que trouxe daquele bacalhoeiro, que nos explicasse as dores e revelações dos acontecimentos em alto-mar

Texto Pepe Brix (depoimento recolhido e construído por Katya Delimbeuf), Fotos Pepe Brix

Tenho 32 anos, vivo na ilha de Santa Maria, nos Açores. Sou fotógrafo freelancer e dono de uma empresa familiar, que foi fundada pelo meu avô em 1947. Ele era artista de circo. Na verdade, ambos os meus avôs eram. Ela era alemã, chamava-se Ema Brix, ele chamava-se José Elisabeth Cardinali, era de origem italiana. Ele era domador de cavalos, ela trapezista. Em 1930, os circos de um e de outro fizeram um espetáculo em conjunto no Porto, no Palácio de Cristal. Foi aí que se conheceram. Não falavam uma palavra da língua do outro, mas namoravam por gestos.

Pouco tempo depois, o meu avô José (que as passagens por Espanha transformaram em Pepe) decidiu que era tempo de assentar arraiais e trocar o circo por uma câmara “à la minuta”. Nunca tinha tirado uma única fotografia na vida. Já eu nasci no meio da fotografia.

Para um ilhéu como eu, a pesca é uma atividade primordial, está presente a toda a hora. Já tinha feito reportagens fotográficas sobre pescadores nos Açores, mas em 2014, num jantar informal, fui convidado para embarcar num bacalhoeiro português e registar, durante três meses e meio, a viagem destes homens até à Terra Nova. Embarcámos no Santa Joana Princesa, um barco de 1969, a 4 de fevereiro de 2014.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)