Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

O britânico que combateu com o soldado Nunes: “Não fui para a Síria matar. Fui para proteger”

BRITÂNICO. Largou o trabalho no sector da banca para se voluntariar e combater o Daesh na Síria

antónio bernardo

Trocou o emprego no sector da banca pelo combate a pouco mais de dez metros do autoproclamado Estado Islâmico, ao lado do português Mário Nunes. Defende que a solução para a Síria passa pelo apoio aos movimentos democráticos que existem no país. Sentiu muito medo, mas isso não o travou. Em breve, vai regressar à cidade de Rojava. Por agora, está numa rápida passagem por Lisboa para o lançamento do livro “Heróis contra o Terror”, que conta a história de ocidentais que largaram tudo para lutar numa guerra que aparentemente não é a deles

Marta Gonçalves

Marta Gonçalves

entrevista

Jornalista

Macer Gifford é britânico e voluntariou-se para combater o autoproclamado Estado Islâmico (Daesh) ao lado das Unidades de Proteção Popular Curdas (YPG). Foi na Síria que conheceu Mário Nunes, o primeiro português a lutar contra o grupo radical islâmico. Ficaram amigos, lutaram lado a lado e passaram horas sem fim à conversa. Macer estava lá no dia em que Mário morreu.

Gifford está em Portugal para o lançamento do livro “Heróis contra o Terror”, de Nuno Tiago Pinto. A passagem por Lisboa é curta. Há muito para preparar, pois no começo do próximo ano Macer vai regressar, mas desta vez não vai para o campo de batalha. Depois de ter sido um dos dois estrangeiros a comandar uma unidade própria dentro das YPG, está a criar uma organização humanitária para apoiar as escolas e os hospitais da cidade de Rojava.

Como era a sua vida e o que fazia no Reino Unido quando decidiu ir para a Síria combater o autoproclamado Estado Islâmico?
Era muito diferente daquilo que atualmente faço. Em 2014, apercebi-me pela primeira vez o que estava a acontecer na Síria pelas horríveis imagens que chegavam de Kobane e dos yazidi presos nas montanhas de Sinjar. Nessa altura, trabalhava como técnico de câmbios em Londres, embora já tivesse feito algum trabalho de cariz solidário anteriormente.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)