Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

O fim do mundo segundo Polly Jean

APOCALIPSE. PJ Harvey regressou a Lisboa para contar histórias da guerra

Rita Carmo

Foi uma espécie de cruzamento entre uma prece e uma aula – estar no segundo concerto que a britânica PJ Harvey deu em Portugal este ano, no Coliseu dos Recreios, foi como viver um momento íntimo com a artista e saber gozar desse privilégio. Na apresentação do álbum “The Hope Six Demolition Project” aos lisboetas, Polly Jean Harvey contou as histórias da guerra que testemunhou, comoveu-nos com a voz límpida de sempre e impressionou-nos com a incomparável presença em palco (incluindo no regresso possuído ao punk da década de 1990). No fim, despediu-se com uma vénia – nunca saberemos se o momento foi uma encenação, sabemos apenas que ela segurou o público na palma da mão do início ao fim

“É assim que o mundo vai acabar”, anuncia ela, os braços estendidos para quem a ouve, os olhos aparentemente focados no que vê diante de si. A figura é franzina – magra, pálida, o corpo meio escondido pelo tecido –; as vestes são negras, as botas também, a saia metalizada sobressai por entre a capa de penas negras. Mas a voz é límpida, cristalina, interrompida apenas pelo ocasional grito de quem a ouve e não se contém.

Podíamos estar a falar de uma sessão de adivinhação conduzida por uma profeta ou uma vidente, mas não é o caso; esta profecia em forma de prece foi testemunhada por um público entusiasmado que compôs o Coliseu dos Recreios nas boas-vindas a Polly Jean Harvey, normalmente conhecida como PJ Harvey, a Lisboa. A referência ao caráter de oração das suas letras, mas também à sua postura aparentemente intocável, não é por acaso – neste regresso a Portugal, pela segunda vez num ano, Harvey confirmou que a sua presença é incomparável e que entre si e os fãs que a seguem fielmente se cria um ambiente inimitável, quase sagrado.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)