Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

A internet (não) matou a televisão

  • 333

getty

O segundo debate presidencial norte-americano, marcado para este domingo à noite, volta a opor Hillary Clinton e Donald Trump num momento em que a democrata está galvanizada pela vitória no primeiro frente e frente, que lhe deu vantagem sobre o rival nas sondagens nacionais. Pela primeira vez, algumas das perguntas que lhes serão colocadas vêm das cabeças de eleitores comuns e não dos moderadores. É uma medida inédita que está longe de ser poderosa. Neste momento, apontam especialistas, a maior parte dos eleitores já escolheu em quem vai apostar e só um grande escândalo conseguirá derrubar uma das candidaturas

John F. Kennedy foi um precursor quando venceu as eleições presidenciais de 1960. Não só foi o mais jovem candidato a ser eleito Presidente dos EUA, como se tornou o primeiro líder católico do país e o primeiro, à data, a ter nascido já no século XX. À lista de itens inéditos acresceu o início de uma nova forma de fazer campanha: os debates televisivos. Com o rival republicano Richard Nixon, foi Kennedy quem inaugurou o modelo ainda hoje seguido e que, há pouco mais de uma semana, atraiu um recorde de espectadores nos EUA e no resto do mundo.

Não é para menos, considerando que este ano a Casa Branca está a ser disputada por uma ex-secretária de Estado que é a primeira mulher nomeada por um dos dois grandes partidos e um empresário e ex-estrela de reality shows que não tem pudores em prometer mundos e fundos xenófobos, por vezes até falsos ou impossíveis de cumprir, para angariar votos — e cuja base de apoiantes parece não se importar com isso.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • “Não mintas, Donald”

    Esta poderá ser uma das frases do debate desta madrugada (02h em Portugal Continental) entre Hillary Clinton e Donald Trump. A candidata democrata às presidenciais americanas tentará irritar o rival republicano, que se apresentou nos últimos dias descontraído e sem necessidade de realizar qualquer ensaio geral. Mas primeiro lembramos a História

  • Há razões para prestar atenção ao debate presidencial desta noite nos EUA

    Esta terça-feira, pelas 2h da manhã em Portugal, tem lugar o único debate televisivo entre os candidatos à vice-presidência antes das eleições de 8 de novembro. O democrata Tim Kaine parte com um avanço sobre o republicano Mike Pence, com base nas mais recentes sondagens nacionais, favoráveis a Hillary Clinton no rescaldo do primeiro frente a frente com Donald Trump há uma semana. Quase metade dos norte-americanos não sabe quem é um ou outro. Mas um deles pode vir a tornar-se o homem mais poderoso e influente do mundo