Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

A espantosa fuga da “mais sinistra cadeia da ditadura”

  • 333

PIDE. Fotos de Carlos Brito na ficha da PIDE

Parece um filme, mas é a história da fuga de três presos da cadeia do Aljube, contada pelo único sobrevivente desta aventura programada para homens que não tinham vertigens. A corda usada era curta, o que obrigou Américo de Sousa a cair com estrondo no telhado do prédio vizinho, o carro que os deveria recolher não apareceu e a mulher da casa de contacto não quis abrir a porta. Imprevistos à parte, eles atingiram a liberdade que tinham por destino. O ex-comunista Carlos Brito conta como foi

Manuela Goucha Soares

Manuela Goucha Soares

texto

Jornalista

André de Atayde

André de Atayde

vídeo

Jornalista

Se fosse hoje, se Portugal não vivesse em Democracia, Américo de Sousa, Carlos Brito e Rolando Verdeal nunca teriam escolhido uma madrugada de sábado para domingo para fugir pelas grades e pelo beiral de um 5º andar da rua Augusto Rosa em Lisboa. Só que em 1957 não havia vivalma na pacata rua que ligava a Sé ao Miradouro de Santa Luzia e onde ficava a cadeia por onde passaram 30 mil presos políticos, na zona que agora é um dos mais movimentados locais turísticos da noite lisboeta.

Carlos Brito, o único sobrevivente desta fuga, tinha 23 anos quando foi preso pela segunda vez, em outubro de 1956. “Vim para o Aljube, a mais sinistra das prisões da ditadura, que era para onde vinham os presos submetidos a interrogatório e tortura. Estávamos aqui e íamos à António Maria Cardoso [rua onde ficava a sede da PIDE e que era perto] para sermos torturados. Por isso, sempre que entrava um novo preso, dizia-se ‘Força camarada, isto vai ser muito duro’... ”.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)