Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

O homem que trocou a pistola pela pomba

  • 333

PERES. Foi deputado, ministro, chefe de Governo e Presidente. A vida de Shimon Peres confunde-se com a do Estado de Israel

Lutou de armas na mão pela criação de Israel e foi sob o signo das armas que subiu na hierarquia do novo país. Na década de 80 tornou-se o homem da paz, que lhe valeu o Nobel. O percurso de um homem que foi deputado, ministro, chefe de Governo e Presidente e cuja vida se confunde com a do Estado de Israel

Margarida Mota

Jornalista

A ironia quis que Shimon Peres desse entrada no hospital de onde não mais sairia com vida após sofrer um acidente vascular no mesmo dia em que israelitas e palestinianos assinalavam o 23º aniversário dos Acordos de Oslo. Peres foi um dos artífices desse tratado, assinado nos jardins da Casa Branca a 13 de setembro de 1993, que devolveu a esperança à região e ao mundo e, ainda hoje, é invocado como solução para o interminável conflito. “Um erro”, sentenciaria poucos anos passados.

“Quando introduzimos no acordo a ideia de uma Autoridade Palestiniana [Governo provisório], concordamos que tudo aquilo seria uma espécie de independência palestiniana a 80%. Foi um erro. Devíamos ter começado imediatamente com a independência”, afirmou ao diário espanhol “El Mundo”, numa entrevista publicada a 20 de fevereiro de 2002. “Não tínhamos a intenção de enganar os palestinianos, mas depois houve uma mudança de Governo em Israel [entrou em cena o “falcão” Benjamin Netanyahu] e as coisas não saíram como esperávamos. Se os palestinianos tivessem tido a independência, tudo teria sido diferente.”

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)