Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Entusiasme-se: há água em Júpiter a 20°C (explicamos a razão da euforia)

  • 333

O oceano de uma das quatro maiores luas de Júpiter tem duas vezes mais água do que todos os oceanos da Terra, apesar de Europa ter um diâmetro equatorial quatro vezes mais pequeno do que o nosso planeta

Virgílio Azevedo

Virgílio Azevedo

Redator Principal

ERUPÇÃO Visão artística da erupção de uma pluma de vapor de água com 200 km de altura a ser ejetada de uma fenda da superfície gelada de Europa

ERUPÇÃO Visão artística da erupção de uma pluma de vapor de água com 200 km de altura a ser ejetada de uma fenda da superfície gelada de Europa

FOTO NASA/ESA/K. RETHERFORD/SWRI

O oceano de água no estado líquido que existe debaixo da calote gelada de Europa, um dos quatro grandes satélites de Júpiter (os outros são Ganimedes, Io e Calisto), “pode ter uma temperatura de 20 graus Celsius”, revelou ao Expresso Pedro Machado, investigador do Observatório Astronómico de Lisboa e do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA). Este especialista em sistemas planetários adianta que o valor foi obtido “com base num modelo de simulação atual que é usado em todo o mundo”.

A revelação foi feita depois de a NASA ter anunciado ontem, segunda-feira, que erupções de plumas de vapor de água da superfície de Europa foram detetadas por uma equipa de astrónomos através do telescópio espacial Hubble. As plumas tinham cerca de 200 km de altura e os astrónomos calculam que o material expelido tenha caído na superfície desta lua.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • Grande, vermelha e também quente (um enigma com mais de 40 anos)

    A grande mancha vermelha de Júpiter é, afinal, uma fonte de calor - além de uma imensa tempestade. Assim o provou um estudo publicado na revista Nature, em que investigadores da Universidade de Boston explicam um enigma com mais de 40 anos: a elevada temperatura atmosférica de um planeta que está cinco vezes mais longe do Sol que o nosso

  • A primeira foto captada dentro da órbita de Júpiter

    O gigante gasoso surge parcialmente iluminado pelo Sol, assim como três das suas luas, na imagem captada pela nave espacial Juno, que indica que pelo menos parte dos seus dispositivos terão conseguido resistir às fortes radiações do maior planeta do Sistema Solar