Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

O país de agosto

  • 333

PONTE DE SOR O programa das festas incluía a atuação de um organista a cantar trocadilhos malandros com sotaque brasileiro, uma festa da espuma e uma iniciativa chamada “momentos do meu telemóvel”

FOTOS Nuno Botelho

De dj que passam a música do telemóvel a duelos de bandas filarmónicas, o relato de uma incursão de José Luís Peixoto por mais de uma dúzia de festas de aldeia de norte a sul de Portugal. Uma viagem que terminou na localidade em que ele próprio nasceu, no dia em que foi inaugurada uma rua com o seu nome

TEXTO José Luís Peixoto

No pavilhão do Grupo Desportivo Treixedense, enquanto conversava com Marante, houve momentos em que fiquei absolutamente absorto nele, a ouvi-lo e a vê-lo, hipnotizado pela situação. Estava a conversar com um homem que, em 31 anos de carreira, já cantou em todas as circunstâncias, cenários e condições climatéricas. Não é difícil acreditar. Ex-jogador de futebol no Salgueiros e antigo distribuidor de peças de automóvel, tornou-se músico profissional quando o grupo que formou - os Diapasão - já tinha celebrado uma década de existência.

Atualmente, mesmo num ano que considera menos bom (a crise), os Diapasão têm mais de 20 concertos marcados para o mês de agosto e algumas marcações já feitas para 2013. Garante que se recorda da primeira vez que atuou em Treixedo, freguesia do concelho de Santa Comba Dão. Da mesma forma, descreve com pormenores o primeiro concerto dos Diapasão, a 9 de julho de 1980, um dia de extremo calor em que os saltos altos das senhoras ficavam espetados no alcatrão.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)