Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

“A NASA está muito interessada na criação de um centro de investigação internacional nos Açores”

  • 333

Eric Lindstrom é um dos responsáveis científicos da NASA que tem participado nos encontros preparatórios para o desenvolvimento de um grande centro internacional de investigação nos Açores dedicado ao espaço, ao mar e às alterações climáticas. Este centro poderá incluir uma base espacial no Aeroporto Internacional das Lajes e um grande laboratório para recriar as condições naturais do ambiente do mar profundo

Virgílio Azevedo

Virgílio Azevedo

Redator Principal

OBSERVAÇÃO. Eric Lindstrom junto de um sensor da NASA destinado a flutuar no mar para observar a salinidade do Atlântico Norte

OBSERVAÇÃO. Eric Lindstrom junto de um sensor da NASA destinado a flutuar no mar para observar a salinidade do Atlântico Norte

FOTO NASA/BILL INGALLS

Investigador no Programa de Oceanografia Física da agência espacial americana e líder do seu departamento de estudo do clima, Eric Lindstrom diz em entrevista ao Expresso que as ilhas “são locais críticos para a observação da Terra e do oceano”.

Porque diz que as ilhas são únicas para a investigação do espaço, dos oceanos e do clima?
As ilhas separadas a grande distância dos continentes podem representar todos os espaços ocupados pelos oceanos e têm sido usadas numa grande diversidade de estudos durante décadas. Na verdade, estão espalhadas por uma área que ocupa 70% da Terra e a partir delas podemos estudar com mais facilidade a atmosfera e fazer medições da temperatura e da pressão atmosférica, ganhar um acesso mais fácil às águas profundas e monitorizá-las, estudando a evolução da salinidade ou da temperatura, enfim, há muitas oportunidades de investigação que não temos nos continentes. Por outro lado, nas cidades e áreas densamente povoadas as medições das temperaturas e de outros indicadores pelas estações meteorológicas são distorcidas pelo chamado efeito de “ilha de calor urbana” devido à grande concentração de edifícios de cimento, enquanto nas ilhas longe dos continentes e de regiões muito povoadas essas medições podem, pelo contrário, representar as alterações naturais do ambiente. No fundo, há uma enorme lista de estudos científicos únicos que se podem fazer nas ilhas com mais realismo de forma mais fácil. Os oceanógrafos com eu adoram as ilhas.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)