Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

A UE levou um tiro com bala dum dum. Sobreviverá?

  • 333

getty images

Ninguém se deve alegrar. Nem os defensores do Brexit. Para Portugal, o resultado do referendo é dramático. E o debate europeu vai agora extremar-se

Nicolau Santos

Nicolau Santos

Diretor-Adjunto

As balas dum dum são utilizados para caça grossa, em particular animais de grande porte porque, tendo a ponta oca ou fendida, deformam-se ou estilhaçam-se ao encontrar o corpo da vítima, aumentando o diâmetro do ferimento e o estrago que provocam. Foi uma bala dessas que atingiu o corpo mastodôntico da União Europeia. Apanhou-o de surpresa e, por isso, os estragos serão maiores do que o que seria possível esperar, tendo consequências que ou sangrarão a vítima até à morte ou deixarão marcas irreversíveis.

É este o enorme desafio que a União Europeia enfrenta: como responder ao Brexit? O tsunami que está a varrer os mercados financeiros mostra várias coisas. A primeira é que, ao contrário do que normalmente acontece, os mercados não tinham antecipado este resultado – e estão a reagir em pânico, o que é sempre péssimo, porque potencia todo o tipo de decisões irracionais. A segunda é que não havia nenhum plano B preparado para enfrentar esta situação.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • So long, farewell…

    Tal como os filhos do Capitão Von Trapp, no filme “Música no Coração”, os britânicos despedem-se, mas deixam para trás uns belos anos

  • 24 de junho de 2016, um documento histórico: “Lamentamos, mas permaneceremos fortes”

    Um dia alguém há de estudar este dia nas escolas, nas bibliotecas (sejam elas o que forem daqui a décadas) ou numa qualquer tecnologia nova que hoje ainda não existe. E este documento que publicamos na íntegra fará certamente parte do estudo. É a posição conjunta dos líderes europeus - que vão deixar de representar 28 países. Assinam o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, e Mark Rutte, detentor da presidência rotativa do Conselho da UE