Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

44,8% dos portugueses não queriam veto às barrigas de aluguer

  • 333

JOSÉ CARLOS CARVALHO

Ainda antes da tomada de decisão do Presidente da República em relação à lei das barrigas de aluguer, o estudo de opinião da Eurosondagem perguntou aos portugueses se concordariam com um veto. “Não” foi a resposta mais frequente

O barómetro de junho da Eurosondagem para o Expresso e SIC incluía uma pergunta sobre a lei das barrigas de aluguer, em relação à qual Marcelo Rebelo de Sousa viria a decidir esta semana. “Deve o Presidente da República vetar a lei das barrigas de aluguer?”, questionava o estudo de opinião realizado entre 1 e 7 de junho, antes ainda de ser conhecida a decisão de Marcelo.

“Não” foi a resposta dada por 44,8% dos inquiridos, acima dos 36,7% que se manifestaram a favor do veto (18,5% não deram resposta à pergunta).

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

FICHA TÉCNICA

Estudo de opinião efetuado pela Eurosondagem S.A. para o Expresso e SIC, de 1 a 7 de JUNHO de 2016. Entrevistas telefónicas, realizadas por entrevistadores selecionados e supervisionados. O universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando lares com telefone da rede fixa. A amostra foi estratificada por região: Norte (20,5%) — A.M. do Porto (14,8%); Centro (28,6%) — A.M. de Lisboa — (26,2%) e Sul (9,9%), num total de 1025 entrevistas validadas. Foram efetuadas 1216 tentativas de entrevistas e, destas, 191 (15,7%) não aceitaram colaborar neste estudo. A escolha do lar foi aleatória nas listas telefónicas e o entrevistado, em cada agregado familiar, o elemento que fez anos há menos tempo, e desta forma resultou, em termos de sexo: feminino — 50,8%; masculino — 49,2% e, no que concerne à faixa etária dos 18 aos 30 anos — 18%; dos 31 aos 59 — 49,8% e com 60 anos ou mais — 32,2%. O erro máximo da amostra é de 3,06%, para um grau de probabilidade de 95%. Um exemplar deste estudo de opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social

  • Marcelo auscultou partidos e Parlamento vai mudar barrigas de aluguer

    Nenhum partido diz não ao Presidente. Belém tinha esse “feeling” dos contactos informais que foi mantendo. E o Parlamento vai mesmo mexer na lei das barrigas de aluguer. O PS reconhece, pela voz do seu nº2, que o diploma tinha fragilidades. Passos dá liberdade de voto. E até o PCP admite pensar. O BE, autor do projeto, admite “clarificar” a lei. É o tudo por tudo para não a perder

  • As chamadas ‘barrigas de aluguer’, em si mesmo, são algo detestável. Porém, o modo cuidadoso como a lei aprovada no Parlamento foi escrita leva a que a maior parte das questões éticas que poderíamos levantar estejam afastadas. Salvo uma, que aliás é comum neste tipo de temas: abre-se uma porta que não se sabe onde nos pode conduzir

  • Barrigas de aluguer dependem de dez deputados do PSD

    Foram os votos de 24 parlamentares do PSD, incluindo Passos Coelho, que permitiram que a lei da gestação de substituição, mais conhecida por barrigas de aluguer, fosse aprovada. A dúvida é quantos se manterão agora. São precisos, pelo menos, 10