Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Na morte, “o tempo não cura tudo”. Há quem fique bloqueado

  • 333

LUTO. “É como um livro a que uma página foi arrancada e nós na terapia vamos tentar construir, não aquela, mas outra página que volte a dar sentido àquela história”, explica Daniela Alves

getty

Cerca de 10% das pessoas não conseguem superar por si só a perda de entes queridos, explicaram os psicólogos Robert Neimeyer e Daniela Alves, especialistas que falaram ao Expresso sobre os processos que é preciso levar a cabo quando as mortes se revelam demasiado traumáticas

A morte de filhos, a de cônjuges de longa data, mas também os suicídios, as mortes por acidentes violentos, atentados ou devido a doenças prolongadas, que impliquem grande sofrimento, são circunstâncias traumáticas que facilmente levam a que os familiares ou pessoas próximas tenham mais dificuldade em superar a perda, referiram ao Expresso Robert Neimeyer e Daniela Alves, psicólogos especializados em processos de luto.

“A maioria dos seres humanos são resilientes no sofrimento. 80 a 90% conseguem, com a ajuda da família, da comunidade ou das suas crenças espirituais, ajustarem-se às perdas. Contudo, 10% a 12% podem ficar bloqueadas”, refere Robert Neimeyer. E, ao contrário do dito popular “o tempo não cura tudo, o que interessa é o que as pessoas fazem com o tempo”, explica Neimeyer, psicólogo da universidade norte-americana de Memphis, com investigação e extensa obra publicada nesta área.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)