Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Para Bloco e PCP, luta dos estivadores é exemplo a seguir

  • 333

TENSÃO. A greve ficou marcada por momentos de intervenção policial

luís barra

“Trabalhadores de todo o país: vede o exemplo dos estivadores, uni-vos e lutai!” Bem podia ser esta a palavra de ordem de bloquistas e comunistas, depois do acordo alcançado no Porto de Lisboa

Paulo Paixão

Paulo Paixão

Texto, com Lusa

Jornalista

Luís Barra

Luís Barra

Fotos

Fotojornalista

Para os partidos que suportam o Governo, o processo e o desfecho da luta dos estivadores do porto de Lisboa vem mesmo a calhar no incentivo a outros trabalhadores para a defesa da contratação coletiva, um objetivo que está na linha das frente das prioridades tanto do Bloco como PCP.

Se há radiografias muito diferentes entre o Portugal pré-crise e o Portugal modulado pela troika, a do número de trabalhadores abrangidos pela contração coletiva é uma delas: por cada seis trabalhadores abrangidos em 2008 por aquele tipo de convenção, só um deles a mantinha em 2014.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • “Ira da estiva” custará 17,4 milhões

    Se a greve dos estivadores se prolongar até 16 de junho, os operadores do porto de Lisboa dizem que terão mais de 17 milhões de euros de prejuízos - 300 mil por dia. Para já, querem uma indemnização superior a 9 milhões, e queixam-se de uma guerra que consideram ser uma verdadeira “ira” dos estivadores

  • Os 200 homens que páram o país

    Agressivos e corporativos ou solidários e acossados? Admirados ou odiados, quando os estivadores entram em greve levam as empresas privadas e o Governo ao limite da paciência. Afinal, quem são e o que pensam? Uma pergunta a que se tentou dar resposta nesta reportagem publicada pela Revista do Expresso de 24 de novembro de 2012 e que aqui republicamos (seguida de um texto que faz o ponto da situação na atualidade)