Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Razia de turmas financiadas em Coimbra e Famalicão

  • 333

PROTESTOS. As ações de contestação contra o corte nos contratos de associação têm-se repetido em vários pontos do país

fernando veludo/lusa

Lista dos colégios que mantêm financiamento foi divulgada na sexta-feira à noite. Contratos de associação vão desaparecer em quase metade dos 50 concelhos onde estão concentrados

A divulgação dos 40 colégios que vão manter algum financiamento do Estado para turmas de início de ciclo (5º, 7º e 10º anos) no próximo ano letivo e, por consequência, dos 39 que vão perder todo o apoio foi feita pelo Ministério da Educação na sexta-feira à noite, na Internet. De então para cá, os estabelecimentos fazem contas à vida, asseguram que vão ter de despedir muitos professores e preparam a contestação nos tribunais.

O Expresso Diário analisou as listas, para concluir que em mais de duas dezenas dos 50 municípios por onde se espalham o corte vai ser total. Entre estes, o destaque vai para Vila Nova de Famalicão e Coimbra, os mais atingidos em número de turmas que deixam de ter financiamento do Estado.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • Por que é que o Estado precisa dos privados na Educação?

    Numa altura em que muito se discute o financiamento do Estado ao ensino privado, o Governo está decidido a não continuar a pagar turmas em colégios quando ao lado existam estabelecimentos públicos com vagas disponíveis. Mas também admite que vai continuar a precisar deste sector. Até para cumprir várias promessas que constam do programa do Governo e que dificilmente conseguiria se contasse apenas com a oferta pública. As áreas agora invocadas para acalmar a contestação do sector particular e cooperativo – pré-escolar, ensino artístico e cursos profissionais – são precisamente aquelas que há muito o Estado subsidia. E que o atual Governo promete continuar a financiar. Eis alguns números. E não são pequenos

  • Ministério da Educação já perdeu quatro processos por reduzir financiamento de colégios

    Acórdãos são deste ano e referem-se a casos que remontam ao final de 2010. Tribunal Central Administrativo do Norte considera que as expectativas dos colégios foram lesadas por serem alteradas regras a meio do jogo. O mesmo princípio vai agora ser invocado pelos colégios em relação à decisão do atual ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues. A primeira providência cautelar já foi entregue

  • CDS afirma que “o ano letivo acaba pior do que começou”

    O ministro da Educação vai hoje ao Parlamento, por iniciativa do CDS. O partido de Assunção Cristas faz uma avaliação "preocupante" dos seis meses de Tiago Brandão Rodrigues à frente da 5 de outubro e espera obter respostas às suas perguntas. Que são muitas