Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

A luz que cura: a história dos meninos de Chernobyl que se foram salvar a Cuba

  • 333

Três décadas depois do maior acidente nuclear da História, em Chernobyl, ainda não são conhecidas as consequências da explosão, mas sabe-se que as crianças foram as principais vítimas. Muitas delas foram para Cuba receber tratamento, por vezes durante anos. E há recuperações que são verdadeiros milagres médicos. Republicamos a reportagem publicada originalmente na revista do Expresso em 22 de abril de 2006

REPORTAGEM Daniel Cruzeiro (textos) e Renato Freitas (fotografias), em Cuba e na Ucrânia *

Tratamento. Anastasia curou uma escoliose e uma gastrite e recuperou todo o cabelo. Ao contrário de Natasha, há menos tempo em Cuba

Tratamento. Anastasia curou uma escoliose e uma gastrite e recuperou todo o cabelo. Ao contrário de Natasha, há menos tempo em Cuba

Vassily Gomelak, de 11 anos, tem o corpo manchado pela vitiligo. Sozinho em Cuba há meio ano, submete-se a tratamentos diários. Logo de manhã, o seu corpo é besuntado de cloreodermina e exposto a sessões de infravermelhos; a tarde é passada na praia, na brincadeira com os amigos; à noite há festas organizadas pelos animadores. As atividades lúdicas e desportivas também fazem parte do tratamento das crianças ucranianas afetadas pela explosão nuclear de Chernobil.

Vassily tem fé na cura. Mas o caso que é hoje apresentado como o resultado de um milagre médico não é o seu - é o de Vladimir «Salaki». Em Moscovo, tinham-lhe diagnosticado uma doença neuromuscular incurável. Após 12 anos de tratamento em Cuba, já consegue caminhar, é autónomo a comer, senta-se, deita-se e reduziu a dose diária de 78 para apenas seis medicamentos. O seu caso é estudado por especialistas de todo o Mundo.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • A “história omitida” de Chernobyl

    Svetlana Alexievich foi distinguida pela Academia Sueca em 2015 pela sua obra “polifónica”, descrita como “um memorial ao sofrimento e à coragem da nossa época”. No dia em que se assinala o 30.º aniversário do desastre nuclear de Chernobyl, falamos sobre o seu livro “Vozes de Chernobyl – História de um desastre nuclear”, que dá voz a quem viveu a situação de perto, entre habitantes das aldeias, bombeiros, soldados, cientistas, médicos, sobreviventes, familiares e amigos dos que morreram