Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Francisco e os 12 sírios em Itália: o que é que o mundo vai fazer com o gesto do Papa?

  • 333

SURPRESA. As vidas destes 12 sírios mudaram para sempre este fim de semana: o Papa levou-os para o Vaticano

FOTO EPA/FILIPPO MONTEFORTE

O mar (será só o mar?) continua a tirar vidas: mais de 400 pessoas morreram afogadas esta segunda-feira na perigosa travessia do Mediterrâneo central, ao largo da costa egípcia. É uma tragédia que acontece depois de um gesto simbólico, inesperado: o Papa foi à Grécia e trouxe para casa 12 refugiados sírios. Esta é uma crise que continua assim: às tragédias sucedem-se gestos, aos gestos sucedem-se tragédias. Quando é que isto acaba?

Mais de 400 pessoas perderam a vida ao final da manhã no Mar Mediterrâneo, vítimas oriundas da Somália, da Eritreia e da Etiópia. À mesma hora, pelo menos 108 pessoas foram salvas de uma embarcação a afundar. Mas muitas centenas foram ao fundo com outros botes sobrelotados, com apenas seis corpos recuperados até agora pelas autoridades italianas. Os barcos seguiam da costa do Egito para a ilha de Lampedusa, o epicentro inicial da já longa crise humanitária que eclodiu no final de 2013 e que continua a não encontrar respostas à altura por parte dos Estados-membros da União Europeia.

Desde o início deste ano, mais de 18 mil pessoas fugidas de guerras e repressões no Médio Oriente e África já entraram na UE e, de acordo com dados da ONU, pelo menos 800 perderam a vida a tentar chegar a salvo ao território europeu. Isto depois de mais de um milhão de pessoas ter conseguido chegar à UE com vida em 2015. O seu realojamento continua a ser um ponto de contenda dentro do bloco europeu. Para dar respostas efetivas à crise, a Comissão Europeia apresentou em outubro um plano de redistribuição de 120 mil refugiados pelos 28 Estados-membros, mas vários países, com a Hungria à cabeça, recusam-se a participar nos esforços comunitários. Entre 1 de janeiro e 15 de abril, apenas 181 pessoas foram recolocadas em Portugal do total de 4775 que o país vai receber este ano sob o sistema de quotas da UE.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • A incógnita sobre mais um naufrágio no Mediterrâneo

    Presidente italiano lamentou “centenas” de mortos em “mais uma tragédia no Mediterrâneo”. A imprensa avançou que são mais de 400 refugiados que perderama vida. Mas o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados não fala de números e ainda está a confirmar a história

  • Visita a Lesbos. Papa Francisco vai levar 12 refugiados para o Vaticano

    Os refugiados que o Papa vai levar para o Vaticano - doze no total, incluindo seis crianças - pertencem a três famílias que se encontram no campo aberto de Kara Tepe. Em visita à ilha grega de Lesbos, o líder máximo da Igreja Católica garantiu aos refugiados ali presentes que eles não estão sozinhos. “Vim aqui para estar convosco e ouvir as vossas histórias, para exigir ao mundo que preste atenção a esta grave crise humanitária e implorar que seja resolvida”