Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

O povo que admite dar o poder aos piratas

  • 333

Tiago Pereira Santos

Os islandeses perderam tudo em 2008, os islandeses estão cansados em 2016. Os Panama Papers levaram-lhes o primeiro-ministro - não resistiu à maior fuga de informação da História -, as eleições estão em vias de lhes trazer os piratas. Mas não é um saque - é livre arbítrio: as sondagens dão o Partido Pirata confortavelmente à frente. Este é um caso único no mundo

Joana Beleza

Joana Beleza

Texto e vídeo

Quando um vulcão entra em erupção - como aconteceu há precisamente 6 anos no sul da Islândia - não vale a pena tentar adivinhar quando tempo ficará em atividade. Dizem os especialistas que as erupções são muito variáveis, tanto podem durar algumas horas como vários anos. E, por estes dias, o mesmo se aplica aos protestos nas ruas de Reiquiavique.

“O atual governo tem mandato até abril do próximo ano, mas não me parece que consiga sobreviver até lá”, afirma ao Expresso Gunnar Hrafn Jónsson, jornalista do canal de televisão e rádio RÚV. “Os islandeses estão cansados de escândalos da classe política e isto vai acabar, seja lá como for ou quando for, com novas eleições.” O atual governo islandês já tinha a sua dose de impopularidade e agora foi o fim.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso)

  • O vídeo que corre mundo: líder islandês abandona entrevista por causa dos Panama Papers

    Um dos nomes envolvidos no escândalo Panama Papers é o do primeiro-ministro islandês. Durante uma entrevista a uma TV sueca, Sigmundur David Gunnlaugsson foi questionado sobre a empresa detida com a sua mulher, que teve títulos que valeram milhões de euros em três grandes bancos da Islândia que faliram durante a crise financeira de 2008. Por entre respostas atabalhoadas, o político acaba por abandonar a sala. O vídeo está a correr mundo

  • Governo islandês demite-se devido ao Panama Papers

    Primeiro-ministro da Islândia pediu ao presidente para dissolver o parlamento depois de o seu nome ter sido associado ao caso, com alegações de que Sigmundur David Gunnlaugsson e a sua mulher detêm secretamente uma empresa offshore com sede em Tortola, nas Ilhas Virgens Britânicas