Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

“É um disparate total”: a frase que começou tudo

  • 333

Tiago Pereira Santos

Não foi a primeira polémica que enfrentou, mas desta vez João Soares não resistiu ao coro de críticas gerado por um post no Facebook, em que prometeu “salutares bofetadas” a dois cronistas que puseram em causa a sua decisão de demitir o presidente do CCB. O primeiro-ministro também deu a entender que não tinha gostado e o ministro da Cultura apresentou mesmo a demissão. Esteve 135 dias no Governo

Isabel Leiria

Isabel Leiria

Texto

Jornalista

António Pedro Ferreira

António Pedro Ferreira

Fotos

Fotojornalista

José Carlos Carvalho

José Carlos Carvalho

Fotos

Fotojornalista

A polémica em torno do ministro da Cultura, que apresentou esta sexta-feira a sua demissão, não começou com o polémico post que deixou às 06h12 da passada quinta-feira no Facebook e onde prometeu as já famosas “salutares bofetadas” a dois colunistas do Público. Esta foi a gota de água num processo que abalou a imagem de João Soares ainda o Governo ia apenas no seu terceiro mês de vida.

Em fevereiro, numa entrevista ao Expresso, o ex-ministro não poupou nas palavras para criticar o então presidente do CCB, António Lamas. Classificou o Plano Belém-Ajuda, concebido por António Lamas enquanto presidente da estrutura de missão nomeada para o efeito, como um “disparate total”, do qual devia tirar as “devidas consequências”.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso)