Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Morto com veneno para ratos para evitar revelações sobre offshores da elite chinesa

  • 333

AMBIÇÃO. A mulher de Bo Xilai, ex-líder autárquico de Chongqing (ao centro na foto), envenenou um empresário britânico por receio de que este revelasse segredos que podiam ameaçar a carreira política de Xilai

Reuters

Oito atuais e antigos membros do Comité Permanente do Politburo do Partido Comunista da China, que reúne os principais decisores do país, têm familiares com empresas offshore secretas. A investigação é do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação, de que o Expresso é parceiro

Alexa Olesen e Wen Yu

Durante meses, Gu Kailai viveu preocupada com um segredo que ameaçava mudar a sua confortável vida e impedir que o marido subisse aos mais altos degraus do poder na China. Por isso, ela agiu.

Num quarto de hotel na megacidade de Chongqing, no sul da China, Gu misturou chá com veneno para ratos num pequeno recipiente enquanto Neil Heywood, empresário britânico e seu parceiro de negócios, estava deitado na cama do hotel, bêbado e confuso. Depois, deitou o líquido na boca dele. O staff do hotel encontraria o corpo dois dias depois.

Gu Kailai viria a confessar o crime, ocorrido em 2011. Disse que tinha sido levada a matar Heywood devido às ameaças que ele lhe fazia, no sentido de expor um segredo obscuro: os milhões de dólares em bens imobiliários numa conta offshore do outro lado do mundo.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso)

  • Uma introdução à maior fuga de informação de sempre

    Mais de 300 jornalistas examinaram meticulosamente milhões de dados pertencentes à sociedade de advogados Mossack Fonseca para expor uma lista alarmante de clientes envolvidos em subornos, tráfico de armas, evasão fiscal, fraude financeira e tráfico de droga. Trata-se da maior fuga de informação da história - os Panama Papers, que mostram como uma indústria global de sociedades de advogados, empresas fiduciárias e grandes bancos vendem o segredo financeiro a políticos, burlões e traficantes de droga, bem como a multimilionários, celebridades e estrelas do desporto. A investigação é do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação, de que o Expresso é parceiro

  • Presidente da FIFA apanhado na teia dos “Panama Papers”

    Documentos divulgados na investigação ligam Gianni Infantino, quando dirigia o departamento jurídico da UEFA, a uma das empresas envolvidas no escândalo que levou à demissão do então presidente da FIFA Sepp Blatter. Na origem estarão acordos televisivos entre 2003 e 2006, coassinados por Infantino, segundo avança o “The Guardian”

  • Buscas na sede da UEFA em Nyon

    As autoridades suíças chegaram às instalações da UEFA com um mandado e pediram que fossem mostrados os contratos celebrados com a Cross Trading/Teleamazonas. No seguimento da fuga de informação do Panama Papers, o nome de Gianni Infantino, antigo dirigente da UEFA e atual presidente da FIFA, surge num negócio de cedência direitos televisivos com dois empresários acusados de corrupção