Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Ativistas angolanos escapam por pouco a rixa mortal na cadeia

  • 333

SENTENÇA. Os 17 ativistas angolanos foram condenados a penas de prisão efetiva entre os dois e os oito anos e meio

PAULO JULIÃO / LUSA

Quatro dos 17 ativistas angolanos que cumprem pena estão na cadeia onde esta segunda-feira houve uma rebelião que provocou um morto e sete feridos. A informação foi confirmada ao Expresso por familiares dos ativistas, cujas gravações áudio - que disponibilizamos - falam numa prisão “altamente perigosa”, onde os presos “não têm respeito pelos agentes”

André de Atayde

André de Atayde

Vídeo

Jornalista

Ao contrário do que foi veiculado pelos serviços prisionais angolanos, há quatro ativistas a cumprir pena na cadeia de Caboxa, na cidade de Caxito, onde esta segunda-feira ocorreu uma rixa que levou à morte de uma pessoa e fez pelo menos sete feridos. Sedrick de Carvalho, Inocêncio de Brito, Benedito Jeremias e Arante Kivuvu “acabaram por ser retirados da cela onde se instalou a confusão”, mas foram colocados noutra, “ao lado de assassinos”, conta ao Expresso Marcelina de Brito, irmã de Inocêncio.

Marcelina diz que o seu avô foi visitar Inocêncio esta segunda-feira e quando lá chegou “deparou-se com uma confusão enorme”. “Houve uma rebelião. Os presos que estavam na solitária conseguiram sair e começaram a bater nos outros. Os presos políticos que estavam lá no meio começaram a sofrer ameaças. Entretanto, alguém os tirou daquela cela e colocou-os noutra, ao lado de assassinos”, explica. Segundo o relato que o avô lhe fez, a rixa, que envolveu “armas brancas, só acalmou por volta das 21h”.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso)

  • Liberdade enjaulada

    Domingos da Cruz Maninho, oito anos e seis meses de prisão efetiva. Luaty Beirão, cinco anos e seis meses de prisão efetiva. Nuno Alvaro Dala, Sedrick de Carvalho, Manuel Chivonde Nito Alves, Inocêncio de Brito, Laurinda Manuel Gouveia, Fernando António Tomás “Nicola”, Mbanza Hamza, Osvaldo Sérgio Correia Caholo, Arante Kivuvu, Albano Evaristo Bingo, Nelson Dibango Santos, Itler Samassuku e José Gomes Hata, quatro anos e seis meses de prisão efetiva. Rosa Conde e Dito Dalí (Benedito Jeremias), dois anos e três meses de prisão efetiva. Angola condenou 17 ativistas. Pedro Santos Guerreiro analisa livremente