Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Como os super-ricos escondem milhões nas guerras de divórcio

  • 333

Tiago Pereira Santos

Uma empresa que não lida com legislação matrimonial desempenha um papel fulcral quando os super-ricos de todo o mundo decidem separar-se. A investigação é do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação, de que o Expresso é parceiro

Christopher Williams tinha estado à espera durante 90 minutos no escritório de uma companhia de helicópteros na ilha de Kauai, no Hawai, dando cuidadosas espreitadelas à área de estacionamento, lá em baixo.

Na mão tinha documentos judiciais, prontos a ser apresentados a um milionário russo envolvido num divórcio que custaria muitos milhões. Tinha uma pequena câmara de vídeo, para registar o momento.

De repente, Williams viu que era a sua oportunidade. Descruzou as pernas e expirou. Abriu a porta, precipitou-se pelo pequeno lanço de escadas abaixo e atravessou o asfalto até uma coluna de SUV brancos. Dentro de um deles estava Dmitri Rybolovlev, um magnata do sector da indústria mineira cuja mulher, Elena, argumentava que ele estava a esconder dinheiro que ela exigia no processo de divórcio.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso)

  • “Há portugueses nos Panama Papers”

    A publicação dos ficheiros do Panamá revela mecanismos globais criminosos nas cúpulas de poder financeiro, político e empresarial. Lavagem de dinheiro, corrupção e financiamento de atividades criminosas mostram comportamentos que põem em causa a forma como as sociedades se organizam, e merecem atitudes de investigação, diz Pedro Santos Guerreiro na SIC Notícias, que responde que há casos portugueses que estão a ser investigados no Expresso e que a seu tempo serão noticiados

  • O vídeo que corre mundo: líder islandês abandona entrevista por causa dos Panama Papers

    Um dos nomes envolvidos no escândalo Panama Papers é o do primeiro-ministro islandês. Durante uma entrevista a uma TV sueca, Sigmundur David Gunnlaugsson foi questionado sobre a empresa detida com a sua mulher, que teve títulos que valeram milhões de euros em três grandes bancos da Islândia que faliram durante a crise financeira de 2008. Por entre respostas atabalhoadas, o político acaba por abandonar a sala. O vídeo está a correr mundo

  • Uma introdução à maior fuga de informação de sempre

    Mais de 300 jornalistas examinaram meticulosamente milhões de dados pertencentes à sociedade de advogados Mossack Fonseca para expor uma lista alarmante de clientes envolvidos em subornos, tráfico de armas, evasão fiscal, fraude financeira e tráfico de droga. Trata-se da maior fuga de informação da história - os Panama Papers, que mostram como uma indústria global de sociedades de advogados, empresas fiduciárias e grandes bancos vendem o segredo financeiro a políticos, burlões e traficantes de droga, bem como a multimilionários, celebridades e estrelas do desporto. A investigação é do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação, de que o Expresso é parceiro