Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Seca de entradas em Bolsa

  • 333

ADIAMENTOS Entre desistências e adiamentos, as empresas preferem esperar por melhores dias para estrear em Bolsa

BRENDAN MCDERMID/REUTERS

Na Bolsa de Nova Iorque, desde 2008, ano de crise, que não se via um período tão longo sem estreias em Bolsa. É o segundo maior período de sempre. Na Euronext, há quase 100 dias que não há Ofertas Públicas Iniciais de relevo

Em tempos de crise nos mercados, nenhuma empresa quer entrar na Bolsa. Na New York Stock Exchange (NYSE), a última estreia em Bolsa foi a da Yirendai, a 17 de dezembro. Há 90 dias que não se registam Ofertas Públicas Iniciais (IPO-Initial Public Offer, em inglês) acima de 20 milhões de dólares (18,1 milhões de euros) naquela Bolsa. É o segundo mais longo espaço de tempo sem IPO de que há registo após o período de 187 dias (entre agosto de 2008 e fevereiro de 2009) que se seguiu à crise do Lehman Brothers, segundo a consultora Dealogic.

A primeira estreia na NYSE em 2016 deverá ser a da Sensus Heathcare, que deverá encaixar 20 milhões de dólares este mês de março. Em 2015, a NYSE registou 52 IPO, num total de 19,4 mil milhões de dólares, contra os 114 IPO tanto em 2014 como em 2013, a segunda melhor performance desde antes da crise financeira, em 2007.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI