Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

José Milhazes: “Muita coisa bate certo entre o Arquivo Mitrokhin e os arquivos do PCUS”

  • 333

Entrevista a José Milhazes, jornalista e historiador do PCP e dos serviços secretos soviéticos, que viveu durante mais de 30 anos na Rússia

Miguel Cadete

Miguel Cadete

Diretor-Adjunto

José Milhazes, jornalista e historiador, viveu na Rússia desde 1977 até ao ano passado. Mantém ativo o blogue Da Rússia e colabora com a SIC. Em 2013 publicou o livro “Cunhal, Brejnev e o 25 de Abril” onde revelou documentos dos arquivos do Partido Comunista da União Soviética sobre a conturbada situação política em Portugal nos anos que se seguiram a 1974. Algumas dessas revelações confirmam dados divulgados pelo Expresso na semana passada através da investigação de Paulo Anunciação publicada na Revista do Expresso.

Amanhã, novas informações recolhidas no Arquivo Mitrokhin voltam a deitar luz, nesta segunda parte do trabalho, sobre os dias em que Lisboa era um dos palcos da Guerra Fria entre as duas superpotências.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI

  • KGB tinha 14 espiões em Lisboa

    A investigação este sábado publicada na Revista do Expresso revela que a base dos serviços de informação soviéticos instalada no Hotel Tivoli, em 1974, dispunha de 14 operacionais

  • Ainda há esqueletos no armário sobre atividades do KGB em Portugal

    As implicações do Arquivo Mitrokhin, e as ligações portuguesas, reveladas na última edição do Expresso, não têm fim à vista. Agora, o politólogo António Costa Pinto e a historiadora Irene Pimentel comentam a posição do PCP. Esta última lembra, a propósito, que o desvio para Moscovo dos arquivos da PIDE referentes às agências secretas também implica o partido. E que, em 1995, uma resolução do Parlamento prometeu abrir um inquérito para saber o que aconteceu. Ainda nada se fez