Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Acordo de paz com data (des)marcada

  • 333

NEGOCIEMOS ENTÃO. O chefe de Estado cubano, Raul Castro, junta as mãos às do Presidente colombiano (à esquerda) e do líder das FARC, “Timochenko”, em setembro de 2015 em Havana

reuters

As conversações de paz entre o Governo colombiano e a guerrilha que têm estado a decorrer na capital cubana não deverão estar concluídas na data prevista. Mas o Presidente da Colômbia desdramatiza, dizendo que prefere que demore mais tempo mas seja um acordo sólido

Ana França

Ana França

na Colômbia

Depois de tanto tempo, depois de tanto esforço, se as negociações de paz não chegarem ao fim dia 23 de março pois que se marque outra data: não quero oferecer ao povo colombiano um acordo fraco só para cumprir prazos.” Foi assim que Juan Manuel Santos, Presidente da Colômbia, anunciou ao país esta semana que o tão esperado acordo de paz entre o Governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), que está a ser negociado em Havana, não seria alcançado na data prevista.

Tinha sido o próprio Santos a prever a celeridade das negociações, em setembro de 2015, quando apertou a mão a “Timochenko”, nome de guerra do líder dos rebeldes, Rodrigo Londono, perante uma Colômbia ofuscada pelos flashes dos jornalistas e pela esperança de que 50 anos de guerra civil pudessem estar finalmente a caminhar para um fim definitivo.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI