Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Um festival nascido da memória, com os pés no presente

MEMÓRIA. Fundadora do Judaica, Elena Piatok quis mais do que um festival de cinema

JOSÉ CARLOS CARVALHO

É uma mostra de cinema e cultura sobre o judaísmo, com debates, conversas e um colóquio à mistura. Entre 16 de março e 8 de maio, Lisboa, Cascais, Belmonte e Castelo de Vide recebem o Judaica, único evento português com esta temática, que já vai na 4ª edição

O Judaica é um festival de uma pessoa só. Da pessoa que há quatro anos decidiu fazer uma primeira edição como quem experimenta tocar, do zero e de ouvido, um instrumento musical novo. Elena Piatok sabia o que queria, apenas não sabia como chegar lá. E, tomando como fonte de inspiração o Jewish Film Festival de Londres — qual catálogo dos filmes que gostaria de mostrar em Portugal — arrancou com um programa próprio, quase sem financiamento.

Quatro anos depois, o Judaica — Mostra de Cinema e Cultura está em quatro cidades do país. Não tem muito mais dinheiro, mas conhece as estratégias para chamar filmes e realizadores. Angariou a colaboração das embaixadas e das autarquias. E continua a ser, por inteiro, uma escolha da sua fundadora, fruto de visionamentos permanentes ao longo do ano e de muita conversa e conexões com quem produz.

Elena Piatok é mexicana e filha de polacos. A sua história é uma típica história judia, de pais de Varsóvia que, aquando da ocupação alemã, se encontravam na zona do país invadida pelos soviéticos.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI