Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

OE: Godinho, Palma e Zeca foram o plano B quando faltou a retórica

  • 333

marcos borga

Direita pressionou Governo para revelar o plano B exigido por Bruxelas. Centeno diz que não existe, mas que se existir não subirá IRS nem cortará salários nem pensões. O filme de um debate com fim anunciado – o OE passou à esquerda – e com banda sonora de intervenção

Filipe Santos Costa

Filipe Santos Costa

Jornalista da secção Política

Ao segundo dia, depois das seis horas de debate da véspera, não há argumentos novos nem para defender nem para atacar o Orçamento do Estado (OE). Há repetição, muita, e imaginação, alguma, para dizer a mesma coisa, de outra maneira, mais eficaz, mais apelativa, nalguns casos mais violenta. Há uma competição de soundbites, a ver quem passa melhor as mensagens essenciais – à falta de melhor, com frases pedidas de empréstimo às canções da vida de governantes e deputados (pela amostra, são de Sérgio Godinho, Jorge Palma e Zeca Afonso).

Já lá vamos, ao filme dos soundbites e à respetiva banda sonora. Antes, uma novidade e uma meia novidade, que também as houve no dia em que pela primeira vez um Orçamento foi aprovado com o voto do PS, que o propôs, e do BE, PCP e PEV.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI