Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Leiam os seus lábios: não haverá aumento de impostos

  • 333

Marcos Borga

Quando se fala da eventual necessidade de medidas adicionais para o OE 2016, o Expresso relembra as linhas vermelhas que António Costa disse que não pisaria. E que Bloco e PCP não deixarão transpor

Cristina Figueiredo

Cristina Figueiredo

Jornalista da secção Política

Dias depois de assinados os acordos com BE, PCP e PEV, em novembro, que permitiram a viabilização do seu Governo, António Costa deu uma entrevista à RTP em que garantiu estar bem ciente dos limites para conseguir aprovar o Orçamento do Estado (OE) para 2016 com os partidos à sua esquerda. “Sabemos que não podemos cortar salários, nem pensões, nem aumentar os impostos sobre o trabalho, nem os impostos indiretos sobre alguns bens essenciais”, afirmou.

Numa altura em que se sucedem as dúvidas, a vários níveis, sobre a exequibilidade da estratégia orçamental, com a Comissão Europeia a confirmar, hoje ainda, que persistem “grandes diferenças” nas discussões com o Governo português sobre o OE e os analistas a admitirem a eventualidade de o Executivo ter de recorrer a medidas adicionais para contentar Bruxelas, o Expresso voltou aos acordos assinados em novembro para tentar responder à pergunta: Costa poderá aumentar impostos (ou proceder a cortes) sem pôr em causa o compromisso assumido com os seus parceiros parlamentares?

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI