Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Identidade de Jihadi John descoberta por causa de um cartão de estudante

  • 333

PROPAGANDA. O jiadista britânico foi morto por um drone norte-americano em novembro

d.r.

Biografia sobre carrasco britânico do Estado Islâmico é publicada esta semana no Reino Unido. Promete criar polémica. É referenciada a passagem por Lisboa

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

As peças do puzzle encaixaram-se finalmente no verão de 2014. Mohammed Emwazi, já então conhecido por Jihadi John, abriu o seu computador portátil, algures na Síria e fez um download de um programa de webdesign. Mas em vez de o comprar com um vulgar cartão de crédito, usou o mesmo código de estudante que utilizava no curso de Sistemas de Informação na Universidade de Westminster para poder descarregar o software gratuitamente. A operação informática deu aos serviços de informações britânicos a chave sobre a identidade do homem filmado a decapitar vários reféns ocidentais na Síria em nome do Estado Islâmico.

Pequeno salto no tempo. São 23h41 — horário de Raqqa, na Síria — de 12 de novembro de 2015. Emwazi é identificado a sair do apartamento da mulher. Entra numa pick-up juntamente com um outro jiadista britânico. Um agente no terreno confirma que Jihadi John está em movimento. A informação é considerada suficiente para que a alguns quilómetros de distância seja acionado um drone Predator equipado com mísseis Hellfire. Minutos depois, o alvo é abatido. A missão é cumprida com sucesso.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI

  • Jihadi John esteve em Lisboa

    MAI confirma a presença do carrasco inglês do Daesh em Portugal. O terrorista viajou acompanhado de dois ex-prisioneiros de Guantámo em 2011

  • França. O berço do jiadismo

    Dez meses depois dos ataques ao Charlie Hebdo, a Jihad volta a matar em Paris. Não é mero acaso. França é o país ocidental com maior número de jiadistas na Síria

  • Matar e Morrer por Alá: Cinco Portugueses no Estado Islâmico (reportagem multimédia premiada na Península Ibérica)

    O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Esta é uma reportagem multimédia do Expresso que venceu o Prémio Cáceres Monteiro 2014 e que acaba de ser premiada com uma medalha de prata (melhor gráfico para especiais) e uma de bronze (melhor cobertura multimédia) nos prémios ÑH12 (distinguem os trabalhos jornalísticos com melhor design da Península Ibérica) e que agora republicamos