Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Um ano de Syriza

  • 333

EPA

2015 foi um ano inesquecível. O Syriza prometeu abanar a Europa e o abanão chegou, mas talvez não de forma que o seu líder, e chefe do Governo, Alexis Tsipras, queria. À beira de se completar um ano da vitória do partido em legislativas, o Expresso olha para o programa do Syriza e analisa o seu cumprimento

Cátia Bruno

Cátia Bruno

Jornalista

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, não tem dúvidas: “Acredito que 2016 será o ano em que a Grécia irá surpreender a comunidade económica mundial.” A frase foi proferida esta quarta-feira em Davos e lança esperança para o futuro. Surge depois de um 2015 atribulado, em que o país esteve à beira de uma saída da zona euro, os gregos viram os seus bancos fechados durante alguns dias e a população rejeitou em massa a austeridade em referendo, para lhe ver ser aplicada nova dose de cortes e subida de impostos.

Na próxima semana, no dia 25 de janeiro, faz precisamente um ano que o Syriza venceu pela primeira vez umas eleições legislativas e que Alexis Tsipras se tornou primeiro-ministro. O Expresso aproveitou a data para olhar para o Programa de Salónica (o documento que mais se assemelha a um programa eleitoral do Syriza) e fazer um balanço do primeiro ano do partido de esquerda que prometeu agitar a Europa.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI