Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

“Os jovens do Daesh não são muito diferentes dos recrutas da Legião Estrangeira”

PROPAGANDA. Um combatente do autoproclamado Estado Islâmico agita uma bandeira em Mossul, em 2014 FOTO REUTERS

reuters

António Dias Farinha, provavelmente o académico português mais conhecedor da História e Cultura dos países muçulmanos, dirige o Instituto de Estudos Árabes e Islâmicos da Universidade de Lisboa

Frederico Carvalho

Aos 75 anos, já jubilado mas não retirado, António Dias Farinha está atento às mais recentes notícias das regiões vindas do mundo árabe e muçulmano, sobretudo das zonas que visitou e estudou ao longo de décadas. Connosco partilha reflexões, inquietações e aquela chama de esperança que uma visão histórica, de longo prazo, mantém acesa.

Qual foi a sua primeira viagem ao mundo muçulmano?
Em 1959 fui a Marrocos com um grupo de alunos da Faculdade de Letras de Lisboa. Percorremos as cidades onde os portugueses estiveram: Tânger, Ceuta, Mazagão, Safim… Marrocos ainda estava sob a impressão funda do regime de protetorado francês, mas mantinha as características da vida propriamente marroquina. A cisterna portuguesa de Mazagão, que os franceses desentulharam, é uma maravilha, como são duas cisternas em Ormuz ou a de S. Julião da Barra, perto de Lisboa.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI