Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

O poder sou eu

  • 333

ILUSTRAÇÃO JEANNE WALTZ

O homem que domina a política angolana quase há 36 anos está a caminho de dar mais um golpe de mestre. Invocando as circunstâncias excecionais que o país enfrenta, como já o fez em várias outras ocasiões, prepara-se para ficar no palácio presidencial até 2022, quando tiver 80 anos. Nessa altura terá talvez a tentação de proceder a uma sucessão dinástica. Ou então, quem sabe, fazer uma nova alteração da Constituição, como tem ocorrido em vários países africanos, que lhe permita eternizar-se no poder até à morte

Nicolau Santos

Nicolau Santos

Diretor-Adjunto

José Eduardo dos Santos controla grande parte das peças do tabuleiro onde se joga a política angolana.
Mas nem ele, que tem vindo a cimentar o seu poder por formas "tão sábias, tão subtis e tão peritas que não podem ser bem descritas", como escreveu Sophia de Mello Breyner, consegue dominar todas as variáveis. E a primeira que não controla é a evolução do preço do petróleo. Em 2008, quando o MPLA venceu as eleições legislativas com mais de 80 por cento dos votos e o país registava taxas de crescimento médio de 17 por cento ao ano, tudo parecia correr bem ao Presidente, sem contestação interna visível, depois da morte de Jonas Savimbi em 2002 e do fim da guerra civil que se arrastava desde 1975, e com uma crescente complacência externa face aos múltiplos negócios que a abertura e a pujança da economia angolana permitiam aos investidores internacionais.

Nessa altura, as previsões para os preços do petróleo apontavam para que continuaria a evoluir em alta, ao redor dos 100 dólares, mas que poderia vir mesmo a atingir em não muitos anos os 200 dólares por barril. Nenhum especialista previu que a revolução do shale oil (petróleo de xisto) nos Estados Unidos da América traria de forma dramática e rápida o barril para os 40 dólares como aconteceu em 2014, oscilando agora na casa dos 60 dólares.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI