Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Tempos difíceis para o Daesh

  • 333

reuters

Tanto na Síria como no Iraque o grupo extremista está a enfrentar dificuldades crescentes, sendo de esperar reações dos seus apoiantes noutros pontos do mundo, a começar pela Europa

Se alguém pensa que há uma central de terror montada algures num “bunker” da cidade síria de Raqqa, dita a capital do califado, e que basta carregar numa tecla de computador para desencadear, quase em tempo real, atentados na Europa, está redondamente enganado. Nem uma Al-Qaeda alguma vez conseguiu chegar a este apuro organizativo e muito menos os seus sucessores do Daesh.

Não obstante, é inegável que os atentados de Paris, tal como os de 5ª e de 6ª feira os de Beirute ou de Bagdade ocorreram num momento em que o autodenominado estado islâmico está a atravessar a fase mais difícil da sua curta vida. Ainda que o Daesh mantenha posições sólidas no norte e no oeste do Iraque, a começar por cidades como Fallujah ou Mossul, acaba de sofrer um rude golpe com a conquista pelos curdos iraquianos da cidade de Sinjar. Isto permite aos peshmergas cortar a estratégica estrada entre Mossul e Raqqa, dificultando, quer o abastecimento da “capital” do califado, quer – o que é muito mais crítico para o grupo – o lucrativo contrabando de petróleo para a Turquia e para a zona lealista da Síria.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI