Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Sondagem: maioria acha que Governo de esquerda vai avançar

  • 333

De acordo com os dados da Eurosondagem, 55,7% dos portugueses acredita que vai haver um governo de esquerda

Bernardo Ferrão

Bernardo Ferrão

Texto

Subdiretor da SIC

Ana Serra

Ana Serra

Infografia

Há governo de esquerda?

A maioria dos inquiridos, 55,7%, diz que sim. Pode até não concordar com essa solução, mas acha que depois de tudo o que se está a passar, acabará por existir um governo de esquerda — esta sondagem foi feita antes de ser conhecido o entendimento com o BE. Ainda assim, os portugueses estão literalmente partidos ao meio sobre o que deve fazer Cavaco Silva perante a rejeição do programa de Governo de Passos Coelho e Paulo Portas. Metade quer que a direita fique em gestão e a outra metade — com mais 1,1% — considera que António Costa deve ser indigitado pelo Presidente da República.

A profunda divisão dos inquiridos volta a sentir-se na resposta à pergunta sobre se acreditam que é possível conciliar os programas dos três partidos à esquerda. Pelo sim estão 41,2%, pelo não 42,7%. Um ponto em que a direita e alguns socialistas, com Francisco Assis à cabeça, têm batido com força questionando como pode o PS aliar-se a partidos que defendem a saída do euro, o fim do tratado orçamental e o virar de costas à NATO. Preocupações também expressas pelo Presidente nos seus dois últimos discursos, o da indigitação de Passos e mais tarde na cerimónia de tomada de posse do Governo.

Impactos nos partidos

Neste capítulo as opiniões são mais desfavoráveis para os socialistas. É verdade que as respostas positivas superam as negativas quando se pergunta se o PS faz bem em unir-se ao BE e ao PCP, mas a diferença é de menos um ponto percentual. Ou seja, os portugueses mostram muitas dúvidas sobre a atuação do líder socialista e receiam os impactos que estas negociações poderão ter no Largo do Rato. Prova disso é que, na pergunta seguinte, 41,8% consideram que este entendimento à esquerda é negativo para o partido de Costa, 11,4% acham que é indiferente e 38,1% veem-no como positivo. Bem diferente são os reflexos para o BE e PCP. Nestes dois casos, o estudo mostra que a haver acordo será benéfico. O que vem ao encontro da opinião de muitos socialistas e não só que acreditam que estas negociações são também um desafio de ‘vida’ para os dois partidos (sempre excluídos do arco da governação) que terão de fazer uma opção: manter-se no lado da crítica e da oposição ou jogar na frente do compromisso. Os portugueses mostram de forma evidente, que tanto BE como PCP só têm a ganhar com este entendimento. A prova dos nove virá com a governação. Isto, claro, se chegaram lá.

Ficha técnica

Estudo de opinião efetuado pela Eurosondagem S.A. para o Expresso e SIC, de 29 de outubro a 3 de novembro de 2015. Entrevistas telefónicas, realizadas por entrevistadores selecionados e supervisionados. O universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando lares com telefone da rede fixa.

A amostra foi estratificada por região: Norte (20,3%) — A.M. do Porto (14,3%); Centro (29,0%) — A.M. de Lisboa (26,7%) e Sul (9,7%), num total de 1036 entrevistas validadas. Foram efetuadas 1269 tentativas de entrevistas e, destas, 233 (18,4%) não aceitaram colaborar neste estudo. A escolha do lar foi aleatória nas listas telefónicas e o entrevistado, em cada agregado familiar, o elemento que fez anos há menos tempo, e desta forma resultou, em termos de sexo: feminino — 51,4%; masculino — 48,6% e, no que concerne à faixa etária dos 18 aos 30 anos — 16,3%; dos 31 aos 59 — 51,3% e com 60 anos ou mais — 32,4%. O erro máximo da amostra é de 3,04%, para um grau de probabilidade de 95,0%. Um exemplar deste estudo de opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.