Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

“Nunca isto aconteceu. Falta para tudo”

PROTESTOS. Em fevereiro, dez salas na sede da Rua dos Caetanos foram encerradas por falta de condições de segurança. Alunos, pais e professores manifestaram-se

A Escola de Música do Conservatório Nacional entra este mês em incumprimento. O quadro é de “desespero”, à beira de não poder pagar despesas básicas. O corte inesperado de 43% no orçamento de 2015 levou a melhor

Luciana Leiderfarb

Luciana Leiderfarb

texto

Jornalista

Luís Barra

Luís Barra

Fotos

Fotojornalista

Desespero” foi a palavra usada. E não é a primeira vez. Há décadas que a Escola de Música do Conservatório Nacional (EMCN) cumpre a sua função num edifício degradado onde tudo conspira para a minar. Nos últimos anos, as notícias de tetos a ruir, água a entrar, paredes e soalhos a apodrecerem, salas encerradas por questões de segurança e visitas da proteção civil na sede da Rua dos Caetanos tornaram-se frequentes. Hoje, a estes problemas soma-se um outro: o corte de 70 mil euros no orçamento atribuído em 2015. Neste momento, o dinheiro quase não chega para pagar as despesas básicas de funcionamento da casa, como as contas da água, da luz e do telefone, ou a simples compra de papel higiénico.

A situação é de tal forma grave que Ana Mafalda Pernão, diretora da EMCN, pediu diretamente aos pais dos mais de 900 alunos da escola apoio financeiro para fazer frente a estes compromissos. Numa carta publicada no site da escola, solicita “a entrega do donativo que considerarem possível e justo” e diz que a instituição está em “graves dificuldades para conseguir encontrar uma forma de cumprir todas os compromissos assumidos no início”. O quadro é “de absoluto desespero”, diz ela ao Expresso, acrescentando: “Falta para tudo. Este mês entramos em incumprimento.”

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI