Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Grécia depois de um “não” esmagador. Semana de clarificação política

  • 333

DECISÃO. Reunião do BCE decisiva para saber se Grécia vai ter ou não liquidez bancária

reuters

‘Corralito’ bancário pode continuar. Juros da dívida grega disparam. Preço dos cds indicia alta probabilidade de default próximo. 20 de julho é a nova linha vermelha

O impacto da vitória do “não” no referendo na Grécia provocou um disparo nos juros da dívida grega como já não se via há muito. No prazo a 2 anos, saltaram para próximo dos 50%; a 5 anos estão acima de 31%; e no prazo de referência, a 10 anos, fecharão esta segunda-feira acima de 18%. O efeito do contágio grego fez-se sentir particularmente em três periféricos, Espanha, Itália e Portugal, com a maior subida a registar-se para as Obrigações do Tesouro (OT) português. Nas OT, no prazo de referência a 10 anos, os juros subiram para 3,18%, ainda que abaixo do máximo do ano de 3,36%, registado a 16 de junho.

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI